sexta-feira, setembro 07, 2007

2007.09.05 041
O Tempo não sabe nada

o tempo não sabe nada
o tempo não tem razão
o tempo nunca existiu
é da nossa invenção

se abandonarmos as horas para nos sentirmos sós
meu amor o tempo somos nós

o espaço tem o volume
da imaginação
além do nosso horizonte
existe outra dimensão

o espaço foi construído sem princípio nem fim
meu amor tu cabes dentro de mim

o meu tesouro és tu
eternamente tu
não há passos divergentes para quem se quer encontrar

a nossa história começa
na total escuridão
onde o mistério ultrapassa
a nossa compreensão

a nossa história é o esforço para alcançar a luz
meu amor o impossível seduz

o meu tesouro és tu
eternamente tu
não há passos divergentes para quem se quer encontrar

Jorge Palma

1 comentário:

Fernanda e Poemas disse...

Nuno, bela escolha para nos dar a conhecer uma bela voz.
Adorei a sua postagem.
Lindíssima!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Beijinhos com sabor a mar.

Fernandinha