sábado, agosto 18, 2007



Eros
Nunca o Verão se demorara
assim nos lábios
e na água
- como podíamos morrer,
tão próximos
e nus e inocentes?

Eugénio de Andrade, Mar de Setembro
Uma escolha a duas mãos feito com a Helenita

Sem comentários: