quarta-feira, setembro 07, 2005

...
Fez-se de espanto o mar da minha vida
Súbito
tempestuoso

no nascimento e na morte
na sublime e imprevisível luz do amanhecer
nas estrelas da noite
velhas de milhões e milhões de anos

Fez-se de vento
Agora suave e depois mortal
Como o passar do tempo
Varrendo o Universo negro absoluto

O vento criador de ondas
Que dançam na superfície dos oceanos
Dançam no início e no fim das coisas
Na brisa que abraça a manhã
Na ideia de amor
E na esperança para lá do fim

Fez-se o meu corpo
como uma onda na praia
apenas um momento na vida do Universo


Pedro de Mendoza

Sem comentários: