terça-feira, novembro 22, 2005

As putas da Avenida

Eu vi gelar as putas da Avenida
ao griso de Janeiro e tive pena
do que elas chamam em jargão a vida
com um requebro triste de açucena

vi-as às duas e às três falando
como se fala antes de entrar em cena
o gesto já compondo à voz de mando
do director fatal que lhes ordena

essa pose de flor recém-cortada
que para as mais batidas não é nada
senão fingirem lírios da Lorena

mas a todas o griso ia aturdindo
e eu que do trabalho tinha vindo
calçando as luvas senti tanta pena

Fernando Assis Pacheco

1 comentário:

Albino M. disse...

Isto é tão antigo, que nem sei se vai receber notícia do comentário...
Duas coisas, só:
- no penúltimo verso, digo eu, é "vinha vindo" não "tinha vindo" (dei conta, porque já puliquei estes versos, como tantos que encontro por aqui...
- topei hoje com o seu blogue (este) e, não por acaso, identifico-me muito com ele...
Abc. (já o li quase todo)